Informação sobre dislexia, causas, sintomas e tratamento da dislexia, identificando procedimentos para o seu diagnóstico e com dicas que pretendem contribuir para um melhor conhecimento da dislexia e que promovam a integração social dos dislexicos.


domingo, 28 de setembro de 2014

Identificação e tratamento de dislexia

Profissionais treinados podem identificar dislexia usando uma avaliação formal. Estes olham para a capacidade de uma pessoa compreender e utilizar a linguagem falada e escrita. Eles olham para as áreas de força e fraqueza nas habilidades que são necessárias para a leitura. Eles também levam em conta muitos outros fatores. Estes incluem história familiar, o intelecto, formação educacional e ambiente social.

Estes profissionais ajudam a identificar a dislexia, o mais cedo possível na vida. Os adultos não identificados com dislexia, muitas vezes trabalham em empregos abaixo de sua capacidade intelectual. Mas com a ajuda de um tutor, professor ou outro profissional treinado, quase todas as pessoas que têm dislexia podem tornar-se bons leitores e escritores. Use as seguintes estratégias para ajudar a fazer progressos com a dislexia: 
• Exponha a criança a leitura oral e a escrita, e a desenhar desde cedo, para que pratique muito, de modo a ganhar incentivo e a ter um desenvolvimento de conhecimentos de impressão, formação básica, habilidades de reconhecimento e consciência linguística (a relação entre som e significado).
• Motive a criança a praticar a leitura de diferentes tipos de textos. Isto inclui livros, revistas, anúncios e histórias em quadrinhos.
• Inclua, o ensino da língua estruturada multi-sensorial. Pratique usando visão, audição e tacto quando introduzir novas idéias.
• Procure modificações na sala de aula. Isto pode incluir um tempo extra para completar as tarefas, ajuda com anotações, teste oral, e outros meios de avaliação.
• Use livros em fita e tecnologia assistiva. Exemplos disso são os leitores de tela e software de reconhecimento de voz.
• Obtenha ajuda com as questões emocionais que surgem a partir da luta para superar as dificuldades acadêmicas.
Ler e escrever são habilidades essenciais para a vida diária. No entanto, é importante salientar também outros aspectos de aprendizagem e de expressão. Como todas as pessoas, as pessoas que têm dislexia desfrutam de atividades e interesses em que têm seus pontos fortes. Por exemplo, pessoas com dislexia podem ser atraídos para campos que não enfatizam competências linguísticas. Exemplos são design, arte, arquitetura, engenharia e cirurgia.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Sinais e efeitos da dislexia

Quais são os sinais de alerta para dislexia?
A dislexia tem diferentes sinais de alerta em pessoas de diferentes idades. Todas as pessoas lutam por vezes com a aprendizagem. Dificuldades de aprendizagem, como a dislexia, são no entanto consistentes e persistem ao longo do tempo. Esteja ciente de que alguns dos "sintomas" também se aplicam a outras dificuldades de aprendizagem, bem como outros distúrbios, tais como Transtorno de Déficit de Atenção.
Se você ou seu filho apresentarem vários sinais de alerta, não hesite em procurar ajuda. Marque os sinais de alerta que se aplicam ao seu filho, e leve a lista para o profissional que você consultar. Com a identificação e apoio adequados, a sua criança será mais capaz de ter sucesso na escola, no trabalho, e na vida. Ninguém conhece o seu filho melhor do que você, então confie em seus instintos, se você acha que a ajuda é necessária.

A dislexia pode afetar as pessoas de forma diferente. Isso depende, em parte, da gravidade da deficiência de aprendizagem e do sucesso dos métodos de aprendizagem alternativos. Algumas pessoas com dislexia podem ter problemas com a leitura e escrita, podendo ter de lutar para conseguir escrever da esquerda para a direita. Algumas crianças mostram poucos sinais de dificuldade com a leitura e escrita precoce. Mas mais tarde, elas podem ter problemas com habilidades complexas de linguagem, tais como gramática, compreensão de leitura e escrita mais aprofundada.
Dislexia também pode tornar mais difícil para as pessoas, expressarem-se com clareza. Pode ser difícil para elas usarem vocabulário e estruturar os seus pensamentos durante a conversa. Outros esforçam-se para entender quando as pessoas falam para eles. Torna-se ainda mais difícil com pensamentos abstratos e linguagem não-literal, como piadas e provérbios.
Todos estes efeitos podem ter um grande impacto na auto-imagem de uma pessoa. Sem ajuda, as crianças muitas vezes sentem-se frustradas com a aprendizagem. O estresse de lidar com a escola, muitas vezes faz com que as crianças com dislexia percam a motivação para continuar a superar os obstáculos que enfrentam.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Dislexia durante o ciclo de vida

A dislexia é um distúrbio persistente, sendo uma condição crônica que afeta um indivíduo ao longo de sua vida. Embora pessoas com dislexia sejam pobres leitores, eles podem continuar a progredir no desenvolvimento da leitura, embora a diferença entre bons e maus leitores permaneça ao longo do tempo.

Já em fase pré-escolar, os sinais de possível dislexia podem ser observados. Atraso no desenvolvimento da linguagem, falta de articulação, dificuldade de pronunciar palavras multisilábicas, falta de interesse em livros, e fracas habilidades de escuta podem estar associadas a dificuldades de leitura posteriores.

Um estudante pode desenvolver algumas habilidades, mas as dificuldades persistem com a leitura, escrita e ortografia. O estudante pode lutar com a descodificação ou sondagem de palavras, reconhecendo palavras comuns e importantes na leitura e ortografia, muitas vezes deixando de fora os sons das palavras. Estes alunos podem ler palavra por palavra com expressão limitada. A linguagem escrita, uma tarefa extremamente exigente para qualquer aluno, é muito mais difícil para um aluno com dislexia.
Alunos com dislexia muitas vezes têm idéias muito criativas e podem compartilhá-las verbalmente; no entanto, quando confrontados com a tarefa de escrever os seus pensamentos no papel, muitos desses estudantes tornam-se oprimidos. Se esses estudantes receberem treinamento fonológico eficaz no jardim de infância e no 1 º grau de escolaridade, eles terão significativamente menos problemas na aprendizagem da leitura ao nível do grau dos alunos sem dislexia.

Dificuldades na leitura, com precisão e fluência de palavras impressas, vai impactar significativamente a capacidade do aluno para acessar os programas escolares e aumentar o conhecimento geral. Estes desafios continuam no ensino médio e superior, em que os alunos não só necessitam da leitura e escrita, mas também devem aprender habilidades de organização para cumprimento de prazos, para que, de forma independente possam concluir os trabalhos dentro do prazo estabelecido. Tudo isto terá de ser feito, para além de desenvolvimento de estratégias de enfrentamento, para lidar com uma taxa de leitura lenta. 

Em casos raros, uma pessoa pode não ser identificada como tendo dislexia até à faculdade ou escola profissional.
Estes indivíduos podem necessitar de acomodações, a fim de ter sucesso no ensino superior. Os adultos com dislexia muitas vezes não medem esforços para esconder sua dificuldade de leitura. Eles podem ser soletradores pobres ou incapazes de escrever. Estes indivíduos são geralmente competentes na linguagem oral e têm muito boas habilidades pessoais. Eles podem ser intuitivos, podendo ter uma excelente memória, e muitas vezes são especialmente talentosos. Adultos com dislexia podem exercer qualquer profissão. Pessoas com dislexia podem ser engenheiros, arquitetos, designers, artistas, matemáticos, físicos, médicos e dentistas.

Embora não haja uma "cura" para a dislexia, os indivíduos podem ter sucesso na escola e, como adultos podem ter sucesso no trabalho, desde que tenham um diagnóstico correto, instrução adequada, trabalhem no duro, e tenham apoio de familiares, professores e amigos. Nunca é tarde demais para aprender a ler, processar e expressar a informação de forma mais eficiente.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Entendendo a dislexia

O termo dislexia é usado para descrever uma dificuldade "inesperada" com a leitura ou escrita. A palavra dislexia é de origem grega, em que dis significa "problema com", e lexia significa "palavras". Portanto, dislexia significa "problemas com palavras".
Dificuldade de leitura e escrita é inesperada porque estes alunos são geralmente de inteligência média a superior. Eles são muitas vezes considerados como brilhantes, criativos, imaginativos, verbais, e pessoas com capacidade para a aprendizagem. No entanto, estes alunos têm dificuldades em aprender a ler, soletrar, e expressar seus pensamentos por escrito. Eles também podem ter dificuldades em sequenciamento, lembrar do que leram, ouvir, seguir as instruções e organizar seus pensamentos ou expressá-los claramente. Estes alunos podem por vezes ser considerados como preguiçosos ou desmotivados e muitas vezes funcionam significativamente abaixo do seu potencial. Suas dificuldades não podem ser explicadas por deficiências visuais ou auditivas, distúrbios emocionais/comportamentais, ou falta de instrução convencional. 

Ao longo da história, tem havido muitas definições diferentes de dislexia, causando confusão para famílias ou cuidadores de saúde, estudantes e profissionais. Esta inconsistência e confusão resultou em evitar utilizar a palavra dislexia em favor de termos como "deficiência de leitura" ou "dificuldades de aprendizagem".

A dislexia é uma dificuldade de aprendizagem específica que tem origem neurológica. É caracterizada por dificuldades com reconhecimento preciso e/ou fluente da palavra e pela má ortografia e descodificação de habilidades. Estas dificuldades normalmente resultam de um déficit no componente fonológico da linguagem que é muitas vezes inesperado em relação a outras habilidades cognitivas e de boa prestação na sala de aula. Consequências secundárias podem incluir problemas na compreensão da leitura e experiência de leitura reduzida, que pode impedir o crescimento do vocabulário e conhecimento de fundo. 

A dislexia é um tipo de deficiência de aprendizagem específica. As causas exatas da dislexia ainda não são completamente claras, mas os estudos de imagens cerebrais anatômicas mostram as diferenças na forma como o cérebro de uma pessoa com dislexia se desenvolve e funciona. Além disso, na maioria das pessoas com dislexia têm-se verificado problemas com a identificação de sons do discurso separado dentro de uma palavra e/ou problemas em aprender letras que representam os sons, um fator-chave nas suas dificuldades de leitura. A dislexia não é devido a qualquer falta de inteligência ou vontade de aprender; e com métodos de ensino adequados, pessoas com dislexia podem aprender com sucesso. Dislexia é um transtorno neurobiológico e genético. Indivíduos herdam as ligações genéticas para a dislexia. As chances são de que um dos pais da criança, avós, tias ou tios tenham dislexia. 
.
A dislexia é a causa mais comum de dificuldades de leitura, escrita e de ortografia. Estudos indicam que 15 a 20% da população tem uma deficiência de aprendizagem baseada na linguagem. Dos alunos com dificuldades de aprendizagem específicas que recebem serviços de educação especial, 70 a 80% apresentam déficits em leitura. Dislexia afeta homens e mulheres quase da mesma forma, assim como pessoas de diferentes origens étnicas e sócio-econômicas.

Índice dos artigos relativos a Dislexia

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL